COMPARAÇÃO ENTRE MÉTODOS NUMÉRICOS E ALGÉBRICOS PARA RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS EM CÁLCULO DE DEFLEXÃO DE VIGAS

  • Dennis Santos Tavares Centro Universitário de Lavras
  • Adriano Rodrigues Centro Universitário de Lavras
  • Ana Rubélia Mendes de Lima Resende Centro Universitário de Lavras
Palavras-chave: Método das Diferenças Finitas, Método da Integração Direta, Deflexão de Vigas, Equação Diferencial da Linha Elástica.

Resumo

Deflexão é a deformação sofrida perpendicularmente ao eixo longitudinal de vigas devido à ação de cargas que nela atuam.  Neste trabalho foi realizado o cálculo de deflexão de vigas através da resolução de equações diferenciais que modelam este fenômeno. A fim de resolver a equação diferencial característica da linha elástica de vigas, utilizaram-se métodos algébricos da integração direta e métodos numéricos, especificamente o método das Diferenças Finitas por meio de implementação computacional. O objetivo foi comparar os dois métodos com relação à precisão e facilidade de resolução. Esta comparação foi realizada de forma direta, exibindo-se os resultados exatos e aproximados de forma gráfica. Mensurou-se ainda os erros globais gerados pelo processo iterativo das Diferenças Finitas. Foi possível concluir que tanto o método analítico quanto o método iterativo chegaram em respostas similares. O Método das Diferenças Finitas apresentou alta precisão, gerando erros globais insignificantes quando comparados com a deflexão calculada, mostrando grande eficiência.

Biografia do Autor

Dennis Santos Tavares, Centro Universitário de Lavras
Discente do curso de Engenharia Civil do Centro Universitário de Lavras (Unilavras).
Adriano Rodrigues, Centro Universitário de Lavras
Doutor em Estatistica e Experimentação Agropecuária pela Universidade Federal de Lavras (UFLA). Professor do Centro Universitário de Lavras (Unilavras)
Ana Rubélia Mendes de Lima Resende, Centro Universitário de Lavras
Mestre em Engenharia Elétrica e Computação pelo Instituto Tecnológico de Aeronautica (ITA). Professora do Centro Universitário de Lavras (Unilavras).

Referências

BEER, F. P; JOHNSTON JR, E. R. Resistência dos Materiais. 3.ed. São Paulo. Pearson.p. 815 - 1073, 2008.

HIBBELER, R. C. Análise das Estruturas. 8.ed. São Paulo. Pearson. p.2, 2013.

HIBBELER, R. C. Resistência dos Materiais. 7.ed. São Paulo. Pearson. p. 449 – 462, 2010.

SILVA, S. F; SOARES, A. A. B. O Método das Diferenças Finitas Aplicado à Teoria de Vigas. Revista Traços, on-line, Belém, v.13, n. 27, junho, 2011. Disponível em: <http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:8ZWNe-d2ekIJ:revistas.unama.br/index.php/revistatracos/article/download/537/214+&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br> Acesso em: 10 abr. 2017.

SOARES, A. A. B. O Método das Diferenças Finitas Aplicado a Teoria de Vigas. 2010. Trabalho de conclusão de curso (Engenharia Civil) – Universidade da Amazônia, Belém.

STEFAN, A. et al. Numerical Determinations with Finite Differences Method of Prismatic Beams Subjected to Torsion. Proceedings of the World Congress on Engineering, 2012, V. 3, July 4 – 6, 2012, London, U.K.

MELLO, E. H. V. M. de. Análise Dinâmica de Vigas de Euler-Bernoulli e de Timoshenko com o Método das Diferenças Finitas. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso (Engenharia Civil) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba. Disponível em: <http://www.dcc.ufpr.br/mediawiki/images/5/57/Eduardo_Mello_2014.pdf>>. Acessado em 01 de junho de 2016

MONITOR. Aproximação por Diferenças Finitas da Deflexão de Viga simplesmente apoiada com carga uniformemente distribuída. URL http://omonitor.io/?q=diferencasfinitasvigaapoiada. Acessado em 01 de novembro de 2016.

THANKANE, K. S; STYS. T. Finite Difference Method for Beam Equation with Free Ends Using Mathematica. Southern Africa Journal of Pure and Applied Mathematics, V. 4, August 15, 2009, Gaborone, Botswana.

Publicado
12/09/2018
Como Citar
Tavares, D. S., Rodrigues, A., & Resende, A. R. M. de L. (2018). COMPARAÇÃO ENTRE MÉTODOS NUMÉRICOS E ALGÉBRICOS PARA RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS EM CÁLCULO DE DEFLEXÃO DE VIGAS. Revista Pro Homine, 1(1). Recuperado de http://revista.unilavras.edu.br/index.php/PH/article/view/23
Edição
Seção
Saúde e Tecnologia